Dinheiro e Felicidade

Riqueza fora do alcance das mãos

Home  >>  Meu dinheiro  >>  Riqueza fora do alcance das mãos

Riqueza fora do alcance das mãos

On dezembro 20, 2016, Posted by , In Meu dinheiro, With No Comments

Você gosta de tocar, pegar, abraçar? E se você fosse rico, mas não pudesse manusear seu dinheiro e suas posses? Esta semana eu conheci alguém assim, e escrevo esse texto para compartilhar essa experiência.

Quando eu era estudante primário, aprendi que o corpo humano se divide em cabeça, tronco e membros. A indagação com a qual iniciei este post depende, essencialmente, da terceira parcela: os membros. Nossos braços e pernas, com suas terminações – mãos e pés, nos permitem tocar os objetos que possuímos e caminhar em direção aos objetivos a que nossas mentes (que vinculamos à nossas cabeças) nos comandam.

Você, que faz pleno uso dos seus braços e pernas (caso da maioria daqueles que um dia vão ler este texto), abriria mão de seus membros em troca de viagens, fama ou fortuna? Acho que não… Mas, se você não tivesse seus membros, desistiria dos seus sonhos? Você deve estar se perguntando o que há por trás de todos esses meus questionamentos… e já vou explicar…

Nick Vujicic

Esta semana eu (e cerca de 10.000 pessoas, só no RJ) estive na presença de Nick Vujicic. Se você o conhece, provavelmente, já estava pensando nele enquanto lia. Se este nome não diz nada a você, será possível conhecê-lo, como eu fazia, por meio dos seus vídeos na web ou seus livros. Mas aqueles que ainda vão buscá-lo no YouTube, me permitam um spoiler: Nick é um ser humano formado apenas por cabeça e tronco (ele tem, é verdade, um arremedo de pé esquerdo, com apenas dois dedos, ligado diretamente ao tronco).

Quem conhece esse australiano incomum sabe que ele inspira qualquer coisa, menos piedade: Nick atua como palestrante motivacional desde os 17 anos de idade. Antes disso, ele teve que superar o bullying, a depressão e sobreviver a uma tentativa de suicídio.

Como prometido no início, quero compartilhar alguns aprendizados da experiência de ouvir Nick por pouco mais de 1 hora:

  • Todos temos altos e baixos e precisamos aprender a olhar a vida por outras perspectivas.
  • Sempre é possível ser otimista sobre o futuro e aprender do passado.
  • Seu modo de amar as pessoas pode transformar a vida delas e a sua também.
  • Quem você é? O que você quer? Essas duas perguntas fazem toda a diferença na sua vida.
  • O valor de uma pessoa não está na sua ocupação ou na quantidade de dinheiro que tem, mas na pessoa que ela é.
  • As pessoas precisam de esperança e esperança não está à venda; não pode ser comprada, mas pode ser transmitida.
  • Você é grato? Meus pais (do Nick) nunca me ensinaram a ter pena de mim mesmo; me ensinaram a ser grato.
  • Muitos acreditam que tudo que se precisa é de uma atitude positiva, mas, sem esperança, não é fácil ter uma atitude positiva.
  • Antes de ter um bom amigo, é preciso ser um bom amigo, de si mesmo.
  • Às vezes milagres não acontecem, mas você pode ser o milagre que alguém precisa.
  • É preciso ter coragem e não ficar congelado pelo medo.
  • Uma outra maneira de encarar os obstáculos é como oportunidades de aprendizado.
  • Aos 15 anos, percebi que eu precisava de fé.

Resolvi dedicar um texto no meu blog ao Nick porque ele simboliza perfeitamente que ser rico material e emocionalmente (outra maneira de dizer o que é,  simplesmente, ter dinheiro e felicidade), tem menos a ver com as circunstâncias e mais a ver com o que fazemos das circunstâncias. Se você quer saber mais sobre o que tenho aprendido sobre dinheiro e felicidade pode entrar em contato comigo por meio do formulário aí abaixo. 👇

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *