Dinheiro e Felicidade

Quanto você custa?

Home  >>  Coaching Financeiro  >>  Quanto você custa?

Quanto você custa?

Esta pergunta pode soar um tanto agressiva, seja pelo contexto político-econômico atual, com denúncias de corrupção, prisões, artimanhas e relações dúbias; seja por uma cultura transnacional que popularizou o adágio: “todo homem tem seu preço!” Se você tem valor, mas não está à venda, te convido a me acompanhar por mais algumas linhas.

Se você chegou ao segundo parágrafo, provavelmente, não se sentiu tão incomodado com a pergunta inicial, ou a curiosidade foi maior do que o mal-estar que causei. Entretanto, por mais perturbadora que seja essa verdade, todo mundo que trabalha em troca de remuneração, mesmo que não goste da ideia, está se vendendo (poucos seres humanos são exceções à regra e trabalham porque gostam e não porque precisam). Se não temos nenhum romantismo, trabalhar é se vender. Então vamos trabalhar com romantismo! E, por que não, com paixão.

Trabalhar com paixão, na minha visão, não é a mesma coisa que trabalhar por paixão. Trabalhar por paixão é o que as pessoas chamam de fazer o que se gosta. Há quem diga que trabalhar no que se gosta nem pode ser considerado trabalho (aprendi, certa vez, que a palavra trabalho, na sua origem, está associada a um tipo de chicote, ou seja, a uma espécie de castigo).

Na mentalidade que estou buscando transmitir, trabalhar com paixão significa agregar seu valor pessoal a tudo aquilo que você faz. É óbvio que é muito mais prazeroso unir trabalho e paixão, mas ainda que sua atividade laboral não seja aquela dos seus sonhos, você pode mostrar excelência em tudo que você faz. Viver assim não tem preço.

Se você não gosta do seu trabalho, seja porque não te remunera tanto quanto você gostaria, seja porque a atividade não te proporciona realização pessoal, ou ambas, pondere duas coisas:

  1. Se você tem um trabalho remunerado, você não faz parte de um grupo de milhões de brasileiros que estão buscando um emprego e não conseguem (sem falar dos que já desistiram de procurar e estão dependentes de terceiros ou “se virando”).
  2. Se você não está realizado com o seu trabalho, o que você está fazendo para mudar? Mudar de trabalho ou de atitude. Se você sabe o seu valor, alguém vai pegar o seu preço!

O mundo está mudando e cada vez será mais dificil que alguém pague pelo seu tempo, principalmente para você ficar fazendo, ou fingindo que está fazendo, algo que não gosta, por horas à fio. Neste século, quem pode pagar pelo trabalho de outra pessoa, quer comprar o seu valor e não a sua disponibilidade. Que valor você tem para vender?

Você acha que esse texto teve valor para você? Então pague o preço com um pouco do seu tempo e deixe seu comentário, de valor, lá abaixo.👇

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *